I Pagliacci - Ruggero Leoncavallo - 1892


Ruggero (Ruggiero) Loncavallo
(Nápoles, 23 de abril de 1857 – Montecatini Terme, 9 de agosto de 1919)

=========================
I Pagliacci

Ópera e libreto de Ruggero Leoncavallo
Estreou no Teatro dal Verme de Milão, em 21 de maio de 1892 com direção de Arturo Toscanini

Consta que Leoncavallo buscou inspiração para o seu "Pagliacci" numa peça teatral, vista em um teatro mambembe, quando ainda era criança.
Durante a encenação e diante do público, o ator principal matara a heroína da peça (sua esposa), que o traía com o criado. Depois, chamara o criado ao camarim, e lá também o matara.
O pai de Leoncavallo teria atuado como juiz no julgamento do criminoso.
Para o público e, para o pequeno Ruggiero, entretanto, que assistia ao espetáculo na pequena aldeia de Montalto, na Calábria, o assassinato ocorrido no palco parecia fazer parte do drama.

========================= 
 Personagens

Canio 

     (Irritadiço líder de meia idade dos atores. Na peça da trupe ele faz o papel de Pagliaccio, o palhaço e marido traído.)   
     tenor

Nedda

    (A jovem esposa de Canio, que representa a esposa de Pagliaccio na peça da trupe. Ela cresceu cansada de Canio e sua vida de viagens constantes. Ela se apaixonou por Silvio, um jovem da aldeia.)  
     soprano

Tonio 

     (Um amargo e irritado corcunda que é atormentado por sua paixão por Nedda. Ele representa a personagem de Taddeo, um criado na peça da trupe.)   
     barítono

Beppe 

     (Um ator que representa o papel romântico do amante de Columbina, Arlecchino, na peça.)   
     tenor

Silvio 

     (Um aldeão e amante de Nedda.)   
     barítono 


========================= 
 Ópera Completa
(legenda em espanhol) 


Canio - Vladimir Galouzine
Nedda - Maria Bayo
Tonio - Carlo Guelfi
Peppe - Antonio Gandía
Silvio - Angel Ódena
Dos campesinos - David Rubiera y Guzman Hernando

Coro y Orquesta Sinfónica de Madrid
Director Musical - Jesús López Cobos

Director de Escena - Giancarlo del Mónaco


========================= 
 Ópera Completa
(legenda em italiano)


========================= 
Ópera Completa
(sem legendas)



Canio: Mario Del Monaco
Nedda: Gabriella Tucci
Tonio: Aldo Protti
Silvio: Attilio D'Orazi
Beppe: Antonio Pirino

The NHK Symphony Orchestra
NHK Italian Opera Chorus
Fujiwara Opera Chorus • Tokyo Choraliers
Members of the Japanese Ballet Association
Giuseppe Morelli, conductor

Live Performance, October 25, 1961
Tokyo Bunka Kaikan

========================= 
Óperas Completas
(Outros vídeos e filmes muito bons)

Pagliacci Full movie. Domingo - Stratas - Pons, Zeffirelli 
Leoncavallo - Pagliacci - Herbert Von Karajan 
=========================
Prologo
Robert Merrill  (barítono)


 
(Tonio in costume da Taddeo  (Tonio, vestido como el Tadeo 
corne nello commedia, passa  de la Comedia del Arte,
a traversa al telone) aparece a través del telón)


TONIO TONIO
Si può? Si può? ¿Se puede? ¿Se puede?
Signore! Signori!  Señoras, señores, discúlpenme
Scusatemi se da sol mi presento.  si me presento a mí mismo. 
Io sono il Prologo. Soy el Prólogo.
Poiché in scena ancor En escena, otra vez,
le antiche maschere mette l'autore, las antiguas máscaras 
in parte ei vuol riprendere introduce el autor, en parte, 
le vecchie usanza,  queriendo restaurar la vieja usanza, 
e a voi di nuovo inviami. y a ustedes me envía, de nuevo.
Ma non per dirvi,  Pero, no para decirles, como antes:
come pria: "¡Las lágrimas que derramamos 
"Le lacrime che noi versiam son false! son falsas! 
Degli spasimi e dei nostri martir ¡De los sufrimientos 
non allarmatevi!"  de nuestros mártires no se alarmen!" 
No, no. No, no. 
L'autore ha cercato invece  El autor, al contrario, 
pingervi uno squarcio di vita. ha intentado aprehender 
Egli ha per massima sol che l'artista un trozo natural de la vida. 
é un uom,  Su máxima es que el artista 
e che per gli uomini es un hombre y, es para él, como tal,
scrivere ei deve.  para quien debe escribir. 
Ed al vero ispiravasi. Por ello se inspira en la realidad. 
Un nido di memoria  Un nido de recuerdos, 
in fondo a l'anima en el fondo de su alma,
cantava un giorno,  un día decidió cantar, y, 
ed ei con vere lacrime scrisse,  con lágrimas verdaderas los escribió
e i singhiozzi il tempo  y, suspiros y sollozos 
gli battevano! le marcaban el compás.


Dunque, vedrete amar  Así, verán amar, 
si come s'amano  tal como se aman los seres humanos, 
gli esseri umani,  verán del odio los tristes frutos. 
vedrete de l'odio i tristi frutti.  De dolor, espasmos, 
Del dolor gli spasimi, ¡gritos de rabia oirán, y cínicas risas! 
urli di rabbia, udrete,  Y, ustedes, más que nuestros 
e risa ciniche!  pobres gabanes de histriones, 
E voi, piuttosto che le nostre  nuestras almas consideren, 
povere gabbane d'istrioni,  pues somos hombres y mujeres 
le nostr'anime considerate,  de carne y hueso, 
poiché siam uomini di carne e d'ossa,  y de este huérfano mundo, 
e che di quest'orfano  como ustedes, respiramos igual aire! 
mondo al pari di voi spiriamo l'aere!  El concepto les he dicho; 
Il concetto vi dissi,  ahora, escuchen 
or ascoltate com'egli é svolto. cómo se desenvuelve. 


(gridando verso la scena (gritando hacia la escena


Andiam, incominciate! ¡Vamos! ¡Comenzad!

=========================
 Qual Fiamma Avea Nel Guardo!... Hui! Stridono Lassù  
Inva Mula



NEDDA NEDDA
Qual fiamma avea nel guardo. ¡Qué fuego tenia en la mirada!
Gli occhi abbassai  Bajé mis ojos para que no pudiese
per tema ch'ei leggesse leer en ellos mi secreto.
il mio pensier segreto. ¡Oh! Si me sorprendiese...
Oh! S'ei mi sorprendesse, ¡con lo brutal que es! 
brutale come egli e.  Bueno, ya basta; vamos...
Ma basti, or via; ¡estos sueños son locuras pavorosas!
son questi sogni paurosi e fole! ¡Oh! ¡Qué bello es este sol de agosto!
O che bel sale di mezz'agosto! Yo, plena de vida y, toda lánguida
lo son piena di vita e, tutta illanguidita por un deseo desconocido..., 
per arcano desio, non so che bramo! ¡no sé qué es lo que quiero!


(Guardando in cielo) (Mirando al cielo)


Oh! Che volo d'augelli, e quante strida!  ¡El vuelo de los pájaros, qué bullicio!
Che chiedon?  ¿Qué buscan? ¿Dónde van? 
dove van?  ¿Quién lo sabe?
Chissà? Mi madre, que la buena ventura sabía, 


La mamma mia,  comprendía su canto y, a mí, de niña,
che la buona ventura annunciava me cantaba así: 
comprendeva il lor canto  ¡Trinan allá arriba libres como saetas!
e a me bambina cosi cantava:  Desafían a las nubes y al sol.


Huí! Stridono lassù, liberamente  Dejadlos que vaguen por la atmósfera
lanciati a voi come frecce, gli augel.  sedientos de azul y de esplendor;
Disfidano le nubi e il sol cocente,  siguen, también ellos, una quimera,
e vanno, e vanno per le vie del ciel.  un sueño, volando entre nubes de oro.


Lasciateli vagar per l'atmosfera  Que los acose el viento y la tormenta,
questi assetati di azzurro e di splendor;  con sus alas abiertas, lo desafían todo:
seguono anch'essi un sogno, una chimera  la lluvia, los relámpagos...; 
é vanno, é vanno fra le nubi d'or.  nada les detiene,


Che incalzi il vento e latri la tempesta, y vuelan sobre simas y mares.
con l'ali aperte san tutto sfidar;  Se van hacia allí arriba, 
la pioggia, i lampi..., nulla mai li arresta,  hacia un país extraño 
é vanno, é vanno sugli abissi e i mar. con el que sueñan, quizá, 


Vanno laggiù verso un paese strano  y que buscan, en vano.
che sognan forse e che cercano invan.  Pero esos bohemios del cielo 
Ma i boemi del ciel seguon l'arcano  siguen al arcano poder 
poter che li sospinge, e van, e van! que les impulsa sin cesar. ¡Y se van!...

=========================  
Vesti La Giubba
Pavarotti

 

 
CANIO CANIO
Recitar!  ¡Declamar! Mientras preso del delirio
Mentre preso del delirio non so più  no sé ya qué digo ni qué hago!
quel che dice e quel che faccio! Y, sin embargo,... es necesario... 
Eppur... e d'uopo... sforzati! que te esfuerces!
Bah, se' tu forse un uom! ¡Bah! ¿Eres o no un hombre?
Tu se' Pagliaccio! ¡Eres un Payaso!
Vesti la giubba e la faccia infarina. Vistes la casaca y te enharinas la cara.
La gente paga e rider vuole qua, La gente paga y quiere reírse aquí
e se Arlecchin t'invola Colombina, y, si Arlequín te levanta a Colombina,
ridi, Pagliaccio, e ognun applaudirà! ¡ríe, Payaso, y todos aplaudirán!
Tramuta in lazzi lo spasmo ed il pianto; Cambias en chanzas el dolor y llanto;
in una smorfia il singhiozzo e il dolore... en burlas los sollozos...
Ridi, Pagliaccio, sul taro amore infranto!  ¡Ríe, Payaso, de tu amor destrozado! 
Ridi del duol  ¡Ríe del dolor 
che t'avvelena il cor! que envenena tu corazón !

========================= 
No, pagliaccio non son ... La commedia è finita!
Franco Corelli




(Esce precipitosamente e chiude  (Sale, precipitadamente, y cierra 
la porta) la puerta.)


NEDDA (Colombina) NEDDA (Colombina)
(Ad arlecchino) (A Arlequín
Via! ¡Vete!


BEPPE (Arlecchino) BEPPE (Arlequín)
(Scavalca la finestra) (Mientras escala por la ventana
Versa il filtro ne la tazza sua. ¡Vierte el filtro en su copa!


(Entra Canio, vestito in costume  (entra Canio, disfrazado de 
di pagliaccio) Payaso)


NEDDA (Colombina)  NEDDA (Colombina) 
A stanotte,  ¡Hasta esta noche y, 
e per sempre, io sarò tua! por siempre seré tuya!


CANIO (Pagliaccio) CANIO (Payaso)
(Fra sè) (Para sí)
Nome di ...!  ¡En el nombre de ...! 
Quelle stesse parole! ¡Son las mismas palabras!
Coraggio! ¡Valor!


(a Colombina) (a Colombina)


Un uomo era con te. ¡Había un hombre contigo!


NEDDA (Colombina)  NEDDA (Colombina) 
Che folle!  ¡Qué locura! 
Sei briaco? ¿Estás borracho?


CANIO (Pagliaccio)  CANIO (Payaso) 
Briaco, sì, da un'ora! ¡Borracho! Si, ¡desde hace una hora!


NEDDA (Colombina)  NEDDA (Colombina) 
Tornasti presto. Has vuelto pronto.


CANIO (Pagliaccio) CANIO (Payaso)
(Con intenzione (Con intención
Ma in tempo!  Pero, ¡a tiempo! 
T'accora, dolce sposina? ¿Te confunde, mi dulce esposa?


(Riprendendo la commedia (Retomando la comedia) 


Ah, sola io ti credea  ¡Ah, te creía sola 
e due posti son là. y ahí hay dos cubiertos!


NEDDA (Colombina)  NEDDA (Colombina) 
Con me sedea Taddeo,  Conmigo estaba Tadeo, 
che là si chiuse per paura. que ahí se ha encerrado, por miedo


(Verso la porta (Hacia la puerta


Orsù, parla! ¡Vamos! ¡Habla!


TONIO (Taddeo)  TONIO (Tadeo) 
Credetela. Essa é pura!  Creedla. ¡Ella es pura! 
E abborre dal mentir  ¡Y sus labios píos 
quel labbro pio! aborrecen la mentira!


(Il pubblico ride forte) (El público ríe a carcajadas.)


CANIO (Pagliaccio) CANIO (Payaso)
(Rabbiosamente al pubblico (Con mucha rabia, al público
Per la morte! ¡Por la muerte!


(Poi, a Nedda (Luego, a Nedda


Smettiamo!  ¡Terminemos la comedia! 
Ho dritto anch'io Tengo derecho, yo también,
d'agir come  a comportarme como 
ogni altr'uomo.  cualquier otro hombre. 
Il nome suo! ¡Su nombre!


NEDDA NEDDA
(Fredda e sorridente) (Fría y sonriente)
Di chi! ¿De quién?


CANIO CANIO 
Vo' il nome dell'amante tuo, Quiero el nombre de tu amante, 
del drudo infame  del canalla infame 
a cui ti desti in braccio, en cuyos brazos te arrojaste, 
o turpe donna! ¡oh, sucia mujer!


NEDDA NEDDA
(Sempre recitando la commedia) (Sigue ajustándose a la comedia
Pagliaccio! Pagliaccio! ¡Payaso! ¡Payaso!


CANIO  CANIO
No, Pagliaccio non son!  ¡No, yo no soy Payaso!
Se il viso é pallido  ¡Si el rostro es pálido
é di vergogna e smania di vendetta!  es por vergüenza y furor de venganza!
L'uom riprende i suoi dritti, e il cor  El hombre reclama sus derechos 
che sanguina vuoi sangue a lavar l'onta.  y el corazón que sangra, 
O maledetta!  quiere sangre para lavar la injuria.
No, Pagliaccio non son!  ¡Oh, maldita! ¡No! ¡No soy Payaso!
Son quel che stolido ti raccolse  ¡Soy el imbécil que te recogió,
orfanella in su la via,  huérfana, de la calle,
quasi morta di fame,  casi muerta de hambre, 
e un nome offriati!  y te ofreció necia, un nombre!
Ed un amor ch'era febbre e follia! ¡Y, un amor, que era fiebre y locura!


DONNE  MUJERES
Comare, mi h piangere!  Comadres, ¡me hace llorar!
Par vera questa scena! ¡Parece tan real esta escena!


UOMINI  HOMBRES
Zitte, laggiù!  ¡Callaos, las de ahí abajo! 
Che diamine! ¡Qué diablos!


SILVIO SILVIO
(Fra sè (Para sí
Io mi ritengo appena! ¡Apenas me contengo!


CANIO  CANIO 
Sperai, tanto il delirio  Esperaba, en mi ciego delirio, 
accecato m'aveva,  si no amor, 
se non amor, pietà, mercé!  ¡al menos, piedad, agradecimiento!
Ed ogni sacrifizio  ¡Y los sacrificio a mi corazón,
al cor, lieto, imponeva,  contento imponía, y, lleno de fe, 
e fidente credeva  creía más que en el mismo Dios, 
più che in Dio stesso, in te!  en ti! 
Ma il vizio alberga sol  Pero sólo el vicio alberga 
ne l'alma tua negletta;  en tu alma negligente; 
tu, viscere non hai...  tú, tú no tienes entrañas...; 
Sol legge é il senso a te;  tu única ley son los sentidos. 
Va, non meriti il mio duol  Vete, no te mereces mi dolor, 
o meretrice abbietta!  ¡meretriz abyecta! 
Vo' nello sprezzo mio,  ¡Quiero, con todo mi desprecio, 
schiacciarti sotto i piè! aplastarte bajo mi pie!


LA FOLLA  LA GENTE 
Bravo! ¡Bravo!


NEDDA NEDDA
(Fredda ma seria (Fría, aunque seria
Ebben, se mi giudichi  Pues, bien, 
di te indegna,  si me juzgas, indigna de ti, 
mi scaccia in questo istante. échame ahora mismo.


CANIO CANIO
(Sogghignando (Con astucia
Ah, ah!  ¡Ah! ¡Ah! 
Di meglio chiedere non dei  Nada mejor que salir corriendo 
che correr tosto al caro amante.  a los brazos del amante... 
Sei furba!  ¡Eres lista! 
No, per Dio, tu resterai,  ¡No, por Dios que te quedarás aquí, 
e il nome del taro ganzo mi dirai. y me dirás el nombre de ese pájaro! 


NEDDA NEDDA
(Cercando di riprendere la commedia (Intentando retomar la comedia)
Suvvia, cosi terribile Vamos, ¡tan terrible,
da verità non ti credeo!  de verdad, no te creía! 
Qui, nulla v'ha di tragico.  Aquí, no hay nada de trágico. 
Vieni a dirgli, o Taddeo,  Ven a decírselo, ¡oh, Tadeo! 
che l'uom seduto or dianzi a me vicino  que el hombre sentado frente a mí 
era il pauroso ed innocuo Arlecchino! era el miedoso e inocuo Arlequín!


(Risa tosto represse dall'attitudine di  (Contiene, en seguida, su risa ante 
Canio) la actitud de Canio)


CANIO CANIO
(Terribile (Terrible)
Ah! Tu mi sfidi!  ¡Ah! ¡Me estas desafiando! 
E ancor non l'hai capita  ¿Aún no te has enterado de 
ch'io non ti cedo? Il nome,  que no voy a ceder? 
o la tua vita! ¡El nombre o tu vida!


NEDDA  NEDDA 
No, per mia madre!  ¡No, por mi madre! 
Indegna esser poss'io, Indigna seré yo, 
quello che vuoi,  todo lo que tú quieras, 
ma vil non son, per Dio!  pero, no soy vil, ¡por Dios! 
Di quel taro sdegno  Más fuerte que tu desdén es mi amor: 
é l'amor mio più forte.  No hablaré. 
Non parlerò. No, a costo della morte! ¡No, aún a riesgo de muerte!


(Si ode un mormorio tra la folla) (Se oye un murmullo entre la gente.)


CANIO CANIO
(Urlando afferra un coltello (Gritando, agarra un cuchillo)
Il nome! Il nome! ¡El nombre! ¡El nombre!


NEDDA  NEDDA 
No! ¡No!


SILVIO SILVIO
(Snudando il pugnale) (Desenvainando un puñal)
Santo diavolo! ¡Diablos!
Fa davvero... Lo hace en serio...


CANIO CANIO 
Di morte negli spasmi  ¡Entre espasmos de muerte 
lo dirai! me lo dirás!


LA FOLLA  LA GENTE 
Ferma! ¡Detente!


CANIO  CANIO 
(Canio, in un parossismo di colera, (Canio, en un paroxismo de cólera,
afferra Nedda e la colpisce col pugnale) agarra a Nedda y la apuñala.)
A te! ¡Toma!


NEDDA  NEDDA 
Soccorso... Silvio! ¡Socorro...! ¡Silvio!


SILVIO SILVIO
(Arrivando in scena (corre en su ayuda)
Nedda! ¡Nedda!


CANIO CANIO
(Si volge come una belva, balza presso (Se vuelve, como una fiera, se 
de lui e lo colpisce col pugnale) arroja sobre él y lo apuñala.)
Ah! Sei tu! Ben venga! ¡Ah! ¡Eres tú! ¡Bienvenido!


(Silvio cade come fulminato) (Silvio cae, fulminado)


LA FOLLA  LA GENTE 
Gesummaria! ¡Jesús, María y José!


(Mentre parecchi si precipitano verso (Mientras varios se precipitan sobre
Canio per disarmarlo, egli, immobile, Canio para desarmarlo, él, inmóvil,
istupidito lascia cadere il coltello) estupefacto, deja caer el cuchillo.)


CANIO CANIO
La commedia è finita! ¡La comedia ha terminado!


FINE DELL'OPERA FIN DE LA OPERA

=========================  
Sinopse


Cenário

Uma praça de uma vila da Calábria, província do extremo sul da Itália. A época é o final da década de 1860.

Toda a ação da ópera acontece entre três horas da tarde e meia noite de 15 de agosto, a Festa da Assunção da Virgem, celebrada com grandes festividades na Itália e em outros países católicos da Europa. Como parte da celebração, uma trupe provincial de atores ambulantes veio para a cidade, para representar. Eles já estiveram antes na cidade e os aldeões já os conhecem.


Prólogo

Durante o Prelúdio, Tonio dá um passo adiante e se apresenta como "O Prólogo". Na tradição da arte da comédia, o Prólogo diz para o público não se preocupar se houver uma tragédia no palco, porque, apesar de tudo, é somente uma peça e não a vida real. Tonio, entretanto, nos traz uma mensagem muito diferente:

Senhoras e senhores! Na peça que estão prestes a assistir, o autor quer capturar as velhas tradições e mostrá-las novamente. Mas ele não pretende contar-lhes o que estão sempre acostumados a dizer. Não! Este autor que mostrar-lhes um verdadeiro pedaço de vida. A verdade foi sua inspiração. Verão o amor como o povo real ama. Verão os trágicos resultados do ódio e espasmos da dor real. Escutarão gritos de raiva real e risos cínicos.

Assim, não devem pensar em nosso pobres truques teatrais. Devem pensar em nossas almas, pois somos pessoas de carne e osso - e neste mundo solitário respiramos o mesmo ar que vocês.


Ato I

Os aldeões correm para a praça para receber os atores. Eles estão especialmente felizes em ver seu velho amigo Pagliaccio (Canio), o engraçado palhaço que sempre os faz rir quando anda com dificuldade ao redor do palco. Canio anuncia uma apresentação para as onze horas daquela noite, e promete-lhes sua comédia favorita. "Vocês verão como Pagliaccio comete tolices e se vinga," ele diz, "bem como o medo e o tremor de Tonio quando o enredo se complica."

Tonio tenta ajudar Nedda a descer de sua carruagem, mas Canio empurra-o violentamente. A multidão ri enquanto Tonio jura que ele se vingará desse insulto. Alguns dos homens da aldeia convidam os atores para a taberna local para uma bebida. Canio e Beppe aceitam, mas Tonio recusa. Um dos aldeões provoca Canio, dizendo que Tonio somente quer ficar para trás para namorar com Nedda. Canio não está se divertindo:

O que acontece em cima do palco e o que acontece na vida real são duas coisas diferentes. No palco, se o velho Pagliaccio encontra sua esposa com outro homem, ele censura-os e até mesmo apanha para o aplauso da multidão. Mas se na vida real Nedda o traísse, o final da história não seria feliz!

Quando os sinos da igreja tocam para as preces do entardecer, Canio, Beppe e os aldeões se dirigem para a taberna. "… sua vingança," ele diz, "bem como o medo e o tremor de Tonio quando o enredo se complica."

Nedda, deixada sozinha, admite que ela está assustada com seu marido; ela sente que ele pode perceber sua inquietação. Ela deseja uma vida diferente e, olhando para cima, para o céu onde os pássaros levantam vôo, ela canta para si mesma sobre a liberdade e alegria deles.

Tonio interrompe-a com uma apaixonada declaração de amor, implorando-lhe para não levar em conta seu corpo deformado. "Eu te amo!" ele diz, "você é meu único desejo e estou determinado a tê-la!" Ela zomba dele e ele tenta forçá-la a beijá-lo. Ela agarra um chicote e bate, atingindo-o no rosto. Ele recua e jura vingar-se.

Um momento mais tarde Silvio aparece, assegurando a Nedda que Canio está na taberna e eles estão a salvo. Ele lhe suplica para abandonar sua vida infeliz e ir embora com ele nessa mesma noite. Ela está incerta, mas diz que o ama. Tonio tinha voltado silenciosamente, e ouvindo os dois amantes por acaso, corre para contar a Canio.

Assim que Nedda e Silvio concordam em fugir juntos à meia-noite, Tonio e Canio retornam. Silvio escapa e Canio segue em perseguição. Enquanto Canio procura o amante de Nedda na escuridão, Nedda, com um tom sarcástico, congratula Tonio por revelar e segredo dela. Canio retorna, sem fôlego e num ataque de ciúmes, ele diz a Nedda que irá cortar sua garganta, mas que primeiro quer saber o nome do amante dela. "Ameaças não me assustam", diz ela. "Eu não revelarei nunca o nome dele!" Canio se joga sobre ela com a faca em punho. Beppe chega em tempo para segurá-lo. Tonio puxa Canio para longe, prometendo que o amante de Nedda irá retornar. Beppe pede a todos para que se vistam. É chegada a hora do espetáculo.

Canio está confuso e exausto:

Representar?! Enquanto eu estou tão delirante que não sei o que estou fazendo (Ele se olha no espelho de sua penteadeira.) Você pensa que é um homem? Você não é nada além de um palhaço!

Coloca sua fantasia e maquia seu rosto. O povo paga para rir, assim se Arlecchino rouba sua Columbina, só risos, palhaço — e todo mundo aplaudirá. Transforme a sua agonia e sofrimento em piadas, transforme as suas lágrimas e mágoas em um rosto engraçado! Ria, palhaço, de seu amor arruinado! Ria da dor que está envenenando seu coração!

Ele entra no teatro chorando, enquanto a cortina desce lentamente.


Ato II

Tonio entra com seu grande tambor enquanto as pessoas chegam para a peça. Quando Tonio convida para o início do show, os aldeões disputam seus assentos. Silvio entra silenciosamente e Nedda avisa-o para ser cuidadoso. O show começa.

Columbina, representada por Nedda, está sentada à mesa. Ela conta ao público que seu marido, Pagliaccio (Canio), está fora. Enquanto ela espera que a galinha assada seja servida para o jantar, faz sinal para seu amante, Arlecchino (Beppe), entrar. Em seguida, seu criado, Taddeo (Tonio), declara seu amor. Ela o menospreza e pede seu jantar. Quando Arlecchino entra para cortejar Columbina, Taddeo inesperadamente abençoa o casal. Quando os amantes preparam-se para jantar, Pagliaccio volta para casa. Arlecchino escapa pela janela, enquanto Columbina lhe diz "até a noite", as mesmas palavras que Nedda havia dito a Silvio mais cedo ao anoitecer. Canio está tremendo com essa situação paralela; tentando falar através do personagem, ele acusa Columbina de estar sendo infiel.

Enquanto o confronto da "peça" entre Pagliaccio e Columbina continua, Canio começa a sair de seu papel e passa para a vida real. Tonio, nos bastidores, empurra Canio para a beira, com comentários sarcásticos. Canio pede para saber o nome do amante de Nedda. Quando ele responde em sua personagem de Columbina, ele grita, "Não! Eu não sou um palhaço! Eu sou o louco que a encontrou morrendo de fome nas ruas e deu-lhe meu nome e meu amor!"

O público fica um pouco confuso, mas cativado pela intensidade da representação grita "Bravo!". Eles não têm ideia de que o que acontece no palco neste momento é perigosamente real. Somente Sílvio, no público, está preocupado. Mas Nedda recusa-se decididamente a revelar o nome de seu amante, apesar do interrogatório histérico de Canio. Subitamente Canio saca de uma faca e corre atrás de Nedda, que tenta correr para a multidão. Ele a agarra e a apunhala. Ela grita por ajuda, chamando o nome de Sílvio, que, correndo na defesa dela, também é apunhalado. Enquanto a multidão recua horrorizada, o enlouquecido e exausto Canio fala "A comédia acabou!", encerrando o espetáculo.


=========================
Libretto


http://www.terra.es/personal/ealmagro/payasos/acto1.htm 

=========================



 =========================
Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ruggero_Leoncavallo
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pagliacci
http://www2.uol.com.br/spimagem/opera/pagliacci/index.htm
http://www.vaimusic.com/product/4421.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Últimas postagens