L'elisir d'amore - Gaetano Donizetti - 1832


Gaetano Donizetti
(Bérgamo, 29 de Novembro de 1797 – Bérgamo, 8 de Abril de 1848)

L'elisir d'amore

Ópera de Gaetano Donizetti.
Baseado no libreto de Scribe para a ópera Le Philtre, de Auber,
  por sua vez baseado em In Filtro, de Silvio Malaperta.
Primeira apresentação: 12 de maio de 1832.

===========================
Personagens

Adina                  soprano
Nemorino            tenor
Belcore                barítono
Dr. Dulcamara      baixo
Giannetta             soprano 

===========================
 (Video) Donizetti L'Elisir D'Amore - Pavarotti Battle Levine MetOpera VobSubs ENG DE FR ES


 ===========================
Ópera Completa



===========================
 Ato 1 - Presentation and preludio


===========================
Ato 1 - Bel conforto al mietitore... Quanto è bella, quanto è cara!


===========================
 Ato 1 -Benedette queste carte!


===========================
 Ato 1 - Come Paride vezzoso... Or se m'ami, com'io t'amo 


===========================
 Ato 1 - Una parola, o Adina... Che vuol dire cotesta suonata

 
===========================
Ato 1 - Caro elisir! sei mio!...Esulti pur la barbara


===========================
Ato 1 - Tran, tran, tran... In guerra ed in amore


===========================
 Ato 1 - Signor sergente, signor sergente... Adina, credimi


===========================
 Ato 1 - Andiamo, Belcore... A lieto convito



===========================
 Ato 2 - Cena I - Cantiamo, cantiam, cantiam; Io son rico e tu sei bella




Da un lato tavola apparecchiata a cui sono seduti Adina, Belcore, Dulcamara, e Giannetta. Gli abitanti del villaggio in piedi bevendo e cantando. Di contro i sonatori del reggimento, montati sopra una specie d'orchestra, sonando le trombe. De um lado, uma mesa posta à qual estão sentados Adina, Belcore, Dulcamara e Giannetta. Os habitantes do vilarejo estão em pé bebendo e cantando. Do lado oposto, os músicos do regimento, sobre uma espécie de tarima, tocando trompete.

Cantiamo, Cantiam, Cantiam

Cantemos, cantemos, cantemos
Coro Coro
Cantiamo, facciam brindisi Cantemos, brindemos
a sposi così amabili. aos noivos tão amorosos.
Per lor sian lunghi e stabili Que tenham longos e duradouros
i giorni del piacer. dias de prazer.


Belcore Belcore
Per me l'amore e il vino Para mim, o amor eo vinho
due numi ognor saranno. dois deuses sempre serão
Compensan d'ogni affanno Compensam de qualquer fadiga
la donna ed il bicchier. as mulheres e os copos


Adina Adina
Ci fosse Nemorino! Pudera Nemorino estivesse aqui!
Me lo vorrei goder. Poderia dele zombar.


Coro Coro
Cantiamo, facciam brindisi Cantemos, brindemos
a sposi così amabili aos noivos tão amorosos.
per lor sian lunghi e stabili Que tenham longos e duradouros
i giorni del piacer. dias de prazer.


Dulcamara Dulcamara
Poiché cantar vi alletta, Visto que cantar vos alegra,
uditemi, signori: escutai, senhores
ho qua una canzonetta, Tenho aqui uma canção
di fresco data fuori, que acaba de aparecer
vivace graziosa, alegre, graciosa,
che gusto vi può dar, que vos deve agradar
purché la bella sposa caso a bela noiva
mi voglia secondar. disponha-se a me acompanhar


Tutti Todos
Sì si, I'avremo cara; Sim, sim, por certo os agradará
dev'esser cosa rara deve ser extraordinária
se il grande Dulcamara se ao grande Dulcamara
è giunta a contentar. ela conseguir agradar


Dulcamara Dulcamara
(cava di saccoccia alcuni libretti, (Tira de sua bolsa alguns libretos 
 e ne dà uno ad Adina.) e  dá um a Andina)
"La Nina gondoliera, "A pequena gondoleira 
e il senator Tredenti," e o senador Três Dentes"
barcaruola a due voci. Attenti. barcaruola a duas vozes. Atenção!


Tutti Todos
Attenti. Atenção


Dulcamara Dulcamara
Io son ricco, e tu sei bella, Eu sou rico, e bela ès tu
io ducati, e vezzi hai tu: Eu tenho ducados, e encantos tens tu
perché a me sarai rubella? porque és rebelde aos meus desejos?
Nina mia! Che vuoi di più? Menina minha, o que mais há de querer?


Adina Adina
Quale onore! un senatore Quanta honra! um senador
me d'amore supplicar! A suplicar meu amor!
Ma, modesta gondoliera, Modesta gondoleira eu sou,
un par mio mi vuo' sposar. e com alguém como eu quero me casar.


Dulcamara Dulcamara
Idol mio, non più rigor. Ídolo meu, não sejas tão rigorosa
Fa felice un senator. Faz feliz um senador.


Adina Adina
Eccellenza! Troppo onor; Excelência! Quanta honra;
io non merto un senator. Não mereço um senador.


Tutti Todos
Brava, bra ... Bom, muito bom ...


Dulcamara Dulcamara
Silenzio, zitti Silêncio, calai-vos
Adorata barcaruola, Adorada barcarola,
prendi l'oro e lascia amor. pega o ouro, deixa o amor
Lieto è questo, e lieve vola; Um é passageiro e voa ligeiro;
pesa quello, e resta ognor. o outro pesa e dura para sempre


Adina Adina
Quale onore! Un senatore Quanta honra! um senador
me d'amore supplicar! A suplicar meu amor!
Ma Zanetto è giovinetto; Mas Zanetto é jovem;
ei mi piace, e il vo' sposar. eu gosto dele e com ele irei me casar


Dulcamara Dulcamara
Idol mio, non più rigor; Ídolo meu, não sejas tão rigorosa
fa felice un senator. Faz feliz um senador.


Adina Adina
Eccellenza! Troppo onor; Excelência! Quanta honra;
io non merto un senator. Não mereço um senador.


Tutti Todos
Bravo, bravo, Dulcamara! Bravo, bravo, Dulcamara!
La canzone è cosa rara. A canção é  coisa rara.
Sceglier meglio non può certo Impossível escolher com certeza
il più esperto cantator. o mais esperto cantor.


Dulcamara Dulcamara
Il dottore Dulcamara O Doutor Dulcamara
in ogni arte è professor. de qualquer arte é Professor.


Si presenta un notaro. Apresenta-se um tabelião


Belcore Belcore
Silenzio! Silêncio!
(si fermano) (Pára)
È qua il notaro, Aqui está o tabelião
che viene a compier l'atto que vem a consumar o ato
di mia felicità. de minha felicidade.


Tutti Todos
Sia il ben venuto! Seja bem-vindo!


Dulcamara Dulcamara
T'abbraccio e ti saluto, Abraço-te e saúdo-te,
o medico d'amor, spezial d'Imene! primeiro oficial, recrutadr do amor!


Adina Adina
Giunto è il notaro, O tabelião já chegou
 e Nemorin non viene!  e Nemorino não vem!


Belcore Belcore
Andiam, mia bella Venere... Vamos, minha bela Venus
Ma in quelle luci tenere Mas nesses ternos olhos
qual veggo nuvoletto? Que nuvens vejo?


Adina Adina
Non è niente. Não é nada.
S'egli non è presente Se ele não estiver presente
compita non mi par la mia vendetta. não estará completa minha vingança.


Belcore Belcore
Andiamo a segnar l'atto: il tempo affretta. Firmemos o ato: é chegada a hora


Tutti Todos
Cantiamo ancora un brindisi Façamos ainda mais um brinde
a sposi così amabili: aos noivos tão amáveis
per lor sian lunghi e stabili Que tenham longos e duradouros
i giorni del piacer. dias de prazer.


( Partono tutti salvo Dulcamara ) ( Saem todos, menos Dulcamara)

===========================
Ato 2 - Cena II, III - Le feste nuziali... Qua la mano, giovinotto


===========================
 Ato 2 - Cena IV, V - Saria possibile?... Dell'elisir mirabile


===========================


Ato 2 -Cena VI - Como sen va contento! ... Una tenera occhiatina


===========================
Ato 2 -Cena VII - Una Furtiva Lagrima





 
Una furtiva lagrima Una furtiva lágrima
negli occhi suoi spuntò: en sus ojos despuntó,
Quelle festose giovani a aquellas alegres jóvenes
invidiar sembrò. envidiar pareció.
Che più cercando io vò? ¿Qué más voy buscando?
Che più cercando io vò? ¿Qué más voy buscando?
M'ama! Sì, m'ama, lo vedo. Lo vedo. Me ama, sí, me ama, lo veo, lo veo.
Un solo istante i palpiti ¡Un solo instante los latidos
del suo bel cor sentir! de su hermoso corazón sentir!
I miei sospir, confondere Mis suspiros confundir
per poco a' suoi sospir! por poco con sus suspiros.
I palpiti, i palpiti sentir, Los latidos, los latidos sentir,
confondere i miei coi suoi sospir... ¡confundir los míos con sus suspiros!
Cielo! Si può morir! ¡Cielos, se puede morir…!
Di più non chiedo, non chiedo. No pido más, no pido.
Ah, cielo! Si può, Si può morir ¡Ah! ¡Cielos, se puede, se puede morir…!
Di più non chiedo, non chiedo. No pido más, no pido.
Si può morir, Si può morir d'amor. Se puede morir…¡Se puede morir de amor!

===========================
 Ato 2 -Cena VIII, IX - Nemorino! Ebbene? ... final


===========================


 Enredo

Apaixonado pela moça mais rica e cobiçada da sua aldeia, cujo coração disputa com um sargento, o jovem Nemorino resolve comprar uma bebida mágica vendida por um charlatão para conquistá-la

===========================

Sinopse

Ato 1

Adina, uma bela, jovem e rica, na sua casa de fazenda, lê histórias de amor para suas amigas, sem acreditar em nenhuma delas. Sobre Tristão e Isolda, com o filtro mágico do amor, reafirma sua descrença dizendo que, felizmente, nada existe que prenda o coração de uma mulher a um homem. Suas amigas riem de Nemorino, um jovem camponês, que está próximo e é apaixonado por Adina.

Chega um destacamento militar sob o comando do sargento Belcore que também é pretendente da jovem fazendeira. Esta gosta do seu estilo decidido e é inclinada a ter o seu amor, para desespero de Nemorino. À aldeia chega o Dr. Dulcamara, um médico ambulante, que entre vários medicamentos, oferece um elixir que resolve tudo milagrosamente. O ingênuo Nemorino, lembrando-se da história contada por Adina, pergunta ao esperto e espalhafatoso Dr. Dulcamara se ele possui algo semelhante. Dulcamara detesta perder dinheiro e, imediatamente, lhe oferece um poderoso Elixir do Amor, na verdade um vinho tinto comum. "Ao ingerir alguns goles, qualquer homem, em 24 horas, terá nos seus braços, completamente apaixonada, a mulher que ama", diz ele. Nemorino dá a ele todo o dinheiro que lhe resta. Ao ficar sozinho, bebe o Elixir e passa a cantar e a dançar furiosamente, despertando a atenção de Adina que chega surpreendendo-se com a energia do rapaz que é normalmente triste e cabisbaixo e por quem ela também tem um certo afeto.

Nemorino, entretanto, fica indiferente o que leva Andina a dizer-se disposta a casar com Belcore que partirá em breve com as tropas. Nemorino ri e dança mais agitado, despertando a ira de Adina que decide casar-se no mesmo dia. Isto provoca desespero em Nemorino já que não haverá tempo para o remédio fazer efeito. Assim ele pede a Adina que adie por 24 horas o casamento, mas ela não concorda.

Ato2

No segundo ato, os convidados estão reunidos para o casamento. Nemorino vendo que perderá a amada, resolve tomar mais do Elixir do Amor. Não tendo dinheiro - Dulcamara não vende fiado - alista-se na tropa de Belcore, recebe um adiantamento, converte em mais um frasco do Elixir que bebe imediatamente. Nisto chega a notícia que morrera um tio de Nemorino deixando-lhe uma grande fortuna. Sem saber do acontecido, ele é assediado por todas as moças da aldeia interessadas na herança. Ele pensa que é efeito do Elixir.

Adina, sabendo que Nemorino, agora indiferente, alistara-se por amor, implora para que ele fique, comprometendo-se a restituir o soldo que obtivera no alistamento. Neste jogo de indiferenças e aproximações, acabam os dois ficando juntos completamente apaixonados, favorecendo o sucesso de Dulcamara que termina o espetáculo vendendo todo o seu estoque de numerosos frascos do fabuloso Elixir do Amor.

===========================

Fonte:
http://www2.uol.com.br/spimagem/opera/elisir.html
http://en.wikipedia.org/wiki/L%27elisir_d%27amore
http://opera.stanford.edu/Donizetti/Elisir/libretto.html
http://es.wikipedia.org/wiki/Una_furtiva_lagrima
O Livro de Ouro da Ópera - Milton Cross - Ediouro
Coleção Folha Grandes Óperas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Últimas postagens